Ceratocone

A córnea, lente natural externa do olho, quando tem baixa rigidez do colágeno fica mais fina nas extremidades, tornando-a mais cônica que o natural e com irregularidades em sua superfície.

Esta doença se desenvolve apenas nas pessoas que possuem predisposição genética, por isso geralmente os dois olhos são afetados, embora na maioria dos casos se desenvolva mais em um deles. Não necessariamente as pessoas com esta alteração ocular possuem casos na família. O ceratocone acomete mais pessoas na adolescência e jovens adultos, podendo progredir até os 40 anos. O hábito de coçar os olhos reduz a resistência do tecido corneano, pois altera a composição de suas enzimas, favorecendo o surgimento e desenvolvimento da doença.

Lembre-se, estas informações são apenas para conhecimento, o diagnóstico precisa ser feito por um profissional.

Causas e Sintomas

O ceratocone está comumente associado à miopia (causada pelo encurvamento da córnea) e ao astigmatismo (causado pelas irregularidades na superfície corneana). Por isso, nas fases iniciais, os sintomas podem ser confundidos com diagnósticos destes erros refrativos sem identificação do ceratocone em si. Principalmente quando miopia e astigmatismo forem identificados, o ideal é que o paciente realize consultas frequentes com o especialista para que, no caso da doença, seja realizado o tratamento em suas fases iniciais. Em casos mais avançados, a prescrição de grau altera constantemente tornando a visão mais distorcida e aumentando a sensibilidade à luz.

TRATAMENTO

Existem tratamentos adequados para cada fase desta doença. No início, lentes de contato rígidas ou gelatinosas especiais podem proporcionar uma boa visão. Quando o ceratocone progride, pode ser necessário o implante do anel intracorneano ou o transplante de córnea para os casos em que a córnea está muito alterada ao ponto de possuir cicatrizes. Na avaliação com o oftalmologista, o melhor tratamento será indicado.

CONTEÚDOS RELACIONADOS